6 fatos (verdadeiros) sobre o Dia da Mentira

Sim! Um papa, Gregório XIII, pode estar por trás de tudo

Abril chegou e, com ele, aquele dia em que você tem dúvidas sobre todas as afirmações que chegam e tenta inovar nas pegadinhas para o Dia da Mentira. O que você talvez não saiba — e nisto, pode confiar — é que a causa mais provável para “comemorarmos” este dia remonta a cinco séculos atrás e que a data tem desdobramentos que chegaram às relações diplomáticas entre os Estados Unidos e o Iraque.

Confira!

1. Os atrasadinhos

O consenso em relação ao surgimento do Dia da Mentira é que, com a adoção do calendário Gregoriano, instituída pelo Papa Gregório XIII, a antiga comemoração do ano novo mudou de data. Antes do século XVI, a passagem de ano era comemorada da última semana de março até 1º de abril, coincindindo com a chegada da primavera no Hemisfério Norte. Mas os conservadores que não gostaram da mudança para o primeiro de janeiro passaram a ser classificados como “bobos” — em inglês, o Dia da Mentira é chamado “April Fool’s Day”, algo como o “Dia dos Bobos em Abril”.

Algumas versões dizem que os bobos do século XVI continuaram celebrando o ano novo em 1º de abril; outras contam que eles recebiam presentes e convites para comemorações falsas.

Além da mudança para o calendário Gregoriano, porém, há outras hipóteses. Por exemplo, a de que o Dia da Mentira seria uma continuidade das brincadeiras, músicas obscenas e fantasias usadas em festivais que marcavam a mudança das estações. Ou, ainda, a data teria surgido após o rei George III da Inglaterra ter feito uma piadinha, em 1º de abril, com a deposição do rei Luís XIV durante a revolução francesa.

2. Tradições centenárias

Hoje, o Dia da Mentira é celebrado através de diferentes tradições ao redor do mundo. Na França, por exemplo, a data se chama “Poisson d’Avril” (“Peixes de abril”) — a origem do nome também tem diversas possíveis explicações. Por isso, nas escolas, é comum a brincadeira de grudar um papel em formato de peixe nas costas do amiguinho.

Já na Escócia, o Dia da Mentira se estende do dia 1 a 2 de abril. No primeiro dia, chamado de “Hunt the Gowk” (algo como “Cace o bobo”), uma velha tradição, em decadência, é a brincadeira de enviar uma mensagem com o pedido de socorro a um amigo, que iniciará uma caça pela suposta pessoa perdida e, no fim, será o foco das piadas. No segundo dia, a brincadeira é colar nas costas do “amigo” um papel com a frase “Me chute”.

No Irã, o 13º dia do Ano Novo pelo calendário persa — oficial neste e em outros países do Oriente Médio — cai nos dias 1 ou 2 de abril. Além de festas ao ar livre, a data é repleta de brincadeiras.

3. O povo quer saber

No Brasil, entre as maiores buscas no Google em relação ao Dia da Mentira, estão consultas sobre suas origens, além da pesquisa por frases, mensagens e pegadinhas para a data. Entre as sugestões nos resultados da busca, está colocar insetos falsos em abajures, pasta de dente no lugar do recheio de biscoitos e até plantar grama no teclado de computador do colega de trabalho.

4. Na China, não

Em 2016, o governo chinês, por meio da agência de notícias estatal Xinhua, proibiu brincadeiras relacionadas ao Dia da Mentira, uma vez que a data “não faz parte da tradição cultural ou dos valores socialistas”. O comunicado deu a entender que quem desobedecesse as ordens poderia sofrer graves consequências.

5. Passando dos limites

As brincadeiras do Dia da Mentira já chegaram ao nível das relações internacionais. Em 1998, o jornal “Babel”, pertencente ao filho do então presidente Saddam Hussein, publicou uma notícia de que o presidente americano, Bill Clinton, havia acabado com as sanções contra o Iraque. Em uma página interna, a publicação admitia que a informação era falsa. A piada foi repetida em 2000.

Algumas décadas antes, na véspera de 1º de abril de 1940, o Instituto Frankiln, nos Estados Unidos, divulgou um comunicado de que o mundo acabaria às 3h da madrugada. A rádio KYW caiu na pegadinha, levando desespero aos ouvintes: “Seus maiores medos de que o mundo vai acabar foram confirmados pelos astrônomos do Instituto Franklin, na Filadélfia”.

O fundador do grupo Virgin, o britânico Richard Branson, é também um conhecido autor de trotes. Em 1989, por exemplo, ele encomendou um balão de ar iluminado que parecia um disco voador para pousar nos arredores de Londres. O objeto no céu desesperou diversos moradores, que chamaram a polícia. Quando o balão pousou, uma pessoa vestida de ET saiu da “nave”, revelando a sofisticada piada.

O site do Museum of Hoax (“Museu das Farsas”) tem uma lista das 10 piadas mais surreais de Dia da Mentira de todos os tempos.

6. O Dia da Mentira na era da internet

As marcas estão a cada ano se superando nas brincadeiras do Dia da Mentira. O Google, por exemplo, já fez de tudo: transformou o Google Maps em um pergaminho, mudou a logo de seu site para o nome “Topeka” e já inverteu todas os caracteres em seu portal. Em 2016, teve que cancelar uma brincadeira que enviava GIF com Miniou pelo Gmail. Uma máquina caça-fantasmas e a inclusão da série “Game of Thrones” no Netflix também marcaram o 1º de abril de 2016.

Outras bizarrices já vieram da Mini Cooper, que anunciou um carro movido a folhas de chá na Inglaterrra, e do Cheetos, que brincou com o cheiro do salgadinho anunciando um perfume com sua essência (confira a propaganda do perfume “Cheeteau” abaixo, em inglês).

Fonte: O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *