Polícia Civil vai investigar a participação de funcionários de empresas terceirizadas pelas operadoras de TV a cabo.

A Polícia Civil vai investigar a participação de funcionários de empresas terceirizadas pelas operadoras de TV a cabo após a operação realizada na manhã desta quarta-feira (22) para desarticular uma quadrilha, com sede em Jaú (SP), que furtava o sinal de operadoras de TV a cabo e vendia pacotes dos canais de forma clandestina. Os clientes que compravam o pacote pirata também vão ter que dar explicações.

As investigações começaram há seis meses e segundo o delegado do Departamento Estadual de Investigações Criminais de São Paulo (Deic) José Mariano de Araújo Filho, a central do crime funcionava em uma casa no bairro Santo Antônio em Jaú (SP), mas a quadrilha atuava em São Carlos e São Paulo. Oito mandados de busca e apreensão foram realizados. Cinco pessoas foram presas e levadas para o Deic em São Paulo.

De acordo com a investigação, o pacote com todos os canais abertos saía por apenas R$ 45 por mês, valor cerca de seis vezes menor do que o cobrado pelas empresas que atuam legalmente no mercado. Ao fechar o negócio, os clientes também pagavam R$ 400 por um aparelho chamado decoder. É nele que deveria ficar o cartão que autoriza o sinal, mas nesse esquema, o cartão era levado para casa onde funcionava a central da organização criminosa, onde ele era conectado a um servidor que compartilhava o sinal. Para cada cartão, podiam ser conectados até 100 clientes diferentes.

“Eles conseguiam através da internet acessar a central onde todos os cartões oficiais de todas as operadoras eram utilizados para compartilhamento das chaves criptográficas dos clientes deles. Então em cada cartão oficial que eles utilizavam, eles conseguiam pendurar pelo menos cem pessoas recebendo essa criptografia para abrir os receptores e ter acesso à programação normal”, explica o delegado.

Servidores foram localizados na casa em Jaú (Foto: Polícia Civil/ Divulgação )

elo menos dois mil clientes estavam recebendo o sinal no momento em que a operação foi realizada, mas a polícia acredita que a quadrilha já tinha mais de 6 mil clientes em Jaú, São Carlos e São Paulo. A operação foi desenvolvida por policiais da 4ª Delegacia de Investigações sobre Delitos Cometidos por Meios Eletrônicos (DIG).

A polícia informou que os equipamentos usados pela quadrilha eram roubados ou furtados. Segundo o delegado, eram de procedência chinesa e proibidos no Brasil. “Muitos equipamentos são frutos de desvios, extravios de dentro dos estoques das operadoras. Equipamentos furtados e até roubados, mas eles também usavam equipamentos que são produzidos basicamente na China, não são homologados para utilização no Brasil e, portanto, eles são proibidos de serem usados para receber sinal de televisão por assinatura no Brasil”, explica.

Em nota a Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (Abta) informou que contribui regularmente com as autoridades públicas com subsídios técnicos para o combate à pirataria.

FONTE: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *